Saiba como declarar seus investimentos no Imposto de Renda 2021

Depois de investir ao longo do ano, é necessário se preocupar com a prestação de contas junto à Receita Federal e a entrega do seu Imposto de Renda. Como o órgão realiza o acompanhamento da sua evolução patrimonial, é importante saber como declarar seus investimentos no Imposto de Renda.

Em 2021, o prazo já prorrogado termina às 23h59 do dia 31 de maio (antes era 30 de abril) – o que exige preparação desde já. Assim, você saberá exatamente o que deve fazer para enviar a declaração conforme a lei.

Veja a seguir como adicionar todas as informações adequadas do Imposto de Renda sobre investimentos em sua declaração!

Quem precisa fazer a declaração de Imposto de Renda?

O primeiro passo para qualquer investidor que deseja saber como fazer a declaração de IR é identificar se ele está obrigado a enviá-la. Em 2021, é preciso declarar o Imposto de Renda se você:

  • recebeu em 2020 mais de R$ 28.559,70 em rendimentos tributáveis;
  • ganhou mais de R$ 142.798,50 em renda bruta de atividade rural;
  • obteve mais de R$ 40 mil em rendimentos isentos e não tributáveis ou tributados na fonte;
  • era dono, até 31 de dezembro de 2020, de imóveis, veículos e outros bens com valor total superior a R$ 300 mil
  • ganhou capital com a venda de imóveis e outros bens sujeitos à tributação;
  • realizou operações na bolsa de valores.

O IR em 2021 traz, ainda, uma especificidade. Quem tiver recebido o auxílio emergencial em 2020 e tiver acumulado rendimentos tributáveis acima de R$ 22.847,76 deve declarar o imposto e devolver o auxílio.

Como declarar investimentos no Imposto de Renda?

Caso você tenha identificado que precisa entregar a declaração de IR, é a hora de dar atenção aos seus investimentos. Todos os investimentos com saldo acima de R$ 140,00 deverão ser declarados — mesmo os isentos. Eles fazem parte dos seus bens e patrimônio.

A seguir, veja como incluir cada tipo de investimento na declaração!

Renda fixa

O saldo em investimentos de renda fixa deve ser declarado da seguinte forma:

  1. Acesse a ficha “Bens e Direitos”;
  2. Inclua o código 45, que se refere aos investimentos classificados como renda fixa;
  3. Em “Discriminação”, esclareça o tipo de título de renda fixa, o nome e o CNPJ da instituição emissora e o número da sua conta;
  4. Preencha os campos “Situação em 31/12/2019” e “Situação em 31/12/2020”.

Como visto, você precisará incluir dados precisos. Então, é interessante fazer uma consulta junto à instituição financeira para obter o informe que será usado no Imposto de Renda.

Renda variável

Depois de aprender sobre a renda fixa, é preciso conhecer as etapas de inclusão da renda variável para saber como declarar investimentos no Imposto de Renda. Veja os passos:

  1. Acesse a ficha de “Bens e Direitos”.
  2. Inclua o código adequado. Os principais são:

31 — ações;

47 — opções, contratos futuros ou a termo;

49 — outras aplicações e investimentos;

71 — fundo de curto prazo;

72 — fundo de longo prazo e fundo de investimento em direitos creditórios (FIDC);

73 — fundo de investimentos imobiliários (FII);

74 — fundo de ações, fundo mútuo de privatização, fundo de investimento em empresas emergentes, fundo de investimento em participação (FIP) e fundo de investimentos de índice de mercado (ETFs);

79 — outros fundos.

  1. Em “Discriminação”, explicite o tipo de investimento, a quantidade de ações ou cotas, o nome e CNPJ da corretora ou do banco de investimentos, da companhia de capital aberto ou da administradora ou da gestora de fundos.
  2. Inclua as informações em “Situação em 31/12/2019 e “Situação em 31/12/2020”.

Como declarar os rendimentos com os investimentos?

Além do saldo em aplicações de renda fixa ou da posse de investimentos de renda variável, é preciso declarar eventuais ganhos ao longo do ano. O processo varia de acordo com a classe do investimento e com o regime de tributação sobre os ganhos.

Saiba o que fazer!

Ganhos tributáveis

Veja como declarar lucro tributável:

Renda fixa

Na renda fixa, os rendimentos tributáveis recebem desconto diretamente na fonte. Então, ao resgatar um título, você já receberá o total líquido e livre de impostos. E deverá declará-lo da seguinte maneira:

  1. Vá para a ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”;
  2. Escolha o código “06 — rendimentos de aplicações financeiras”;
  3. Descreva se os rendimentos são do titular ou de um dependente e inclua dados como o CNPJ da fonte pagadora e o valor obtido.

Ganho de capital em renda variável

Quem teve lucro com a compra e venda de ações ou fundos negociados em bolsa deverá seguir para a ficha “Renda Variável” para apresentar o ganho de capital obtido.

Atenção: o pagamento do imposto deve ter sido feito ao longo do ano por meio de Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF). Assim, você usará os comprovantes para preencher de acordo com os passos abaixo:

  1. Siga para a ficha “Renda variável”;
  2. Escolha a aba entre “Operações com Fundos de Investimento Imobiliário” ou “Operações Comuns/Day Trade”, para ações e outros fundos;
  3. Veja se há algum prejuízo para ser compensado referente a 2019;
  4. Preencha cada mês com os valores das vendas e verifique se o pagamento é consistente com cada DARF, deixando como R$ 0,00 quando não tiver ocorrido a venda.

Outros rendimentos na renda variável

Há outro passo a passo para declarar lucro dos fundos de investimentos negociados fora da bolsa e também possíveis juros sobre capital próprio (JCP) recebidos por quem investe em ações.

A declaração fica assim:

  1. Selecione a ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”;
  2. Escolha entre os códigos:

06 — rendimentos de aplicações financeiras (para resgate de fundos);

10 — juros sobre capital próprio;

  1. Informe os dados da fonte pagadora, o total recebido e se os rendimentos são do titular ou de um dependente.

Não tributáveis

No caso dos investimentos com isenção de Imposto de Renda, os rendimentos devem seguir para a ficha de não tributáveis.

O mesmo vale para outros ganhos isentos, como dividendos de ações e de FIIs – além de vendas que somaram menos de R$ 20 mil mensais em operações tradicionais na bolsa de valores.

Confira como incluí-los:

  1. Vá para a ficha “Rendimentos Isentos e Não-Tributáveis”;
  2. Inclua o código correspondente, sendo os principais:

09 — lucros e dividendos recebidos

12 — rendimentos de cadernetas de poupança, letras hipotecárias, LCA, LCI, CRA e CRI;

20 — ganhos líquidos em operações no mercado à vista de ações negociadas em bolsas de valores

  1. Adicione as informações – como total recebido, CNPJ da fonte pagadora e tipo de investimento.

Com essas informações, você aprendeu como declarar investimentos de Imposto de Renda. Tenha atenção redobrada com os valores e os dados, pois qualquer discrepância pode fazer sua declaração ser retida na chamada malha fina!

Depois de investir ao longo do ano, é necessário se preocupar com a prestação de contas junto à Receita Federal. Como o órgão realiza o acompanhamento da sua evolução patrimonial, é importante saber como declarar seus investimentos no Imposto de Renda.

Em 2021, o prazo termina às 23h59 do dia 30 de abril – o que exige preparação desde já. Assim, você saberá exatamente o que deve fazer para enviar a declaração conforme a lei.

Veja a seguir como adicionar todas as informações adequadas do Imposto de Renda sobre investimentos em sua declaração!

Quem precisa fazer a declaração de Imposto de Renda?

O primeiro passo para qualquer investidor que deseja saber como fazer a declaração de IR é identificar se ele está obrigado a enviá-la. Em 2021, é preciso declarar o Imposto de Renda se você:

  • recebeu em 2020 mais de R$ 28.559,70 em rendimentos tributáveis;
  • ganhou mais de R$ 142.798,50 em renda bruta de atividade rural;
  • obteve mais de R$ 40 mil em rendimentos isentos e não tributáveis ou tributados na fonte;
  • era dono, até 31 de dezembro de 2020, de imóveis, veículos e outros bens com valor total superior a R$ 300 mil
  • ganhou capital com a venda de imóveis e outros bens sujeitos à tributação;
  • realizou operações na bolsa de valores.

O IR em 2021 traz, ainda, uma especificidade. Quem tiver recebido o auxílio emergencial em 2020 e tiver acumulado rendimentos tributáveis acima de R$ 22.847,76 deve declarar o imposto e devolver o auxílio.

Como declarar investimentos no Imposto de Renda?

Caso você tenha identificado que precisa entregar a declaração de IR, é a hora de dar atenção aos seus investimentos. Todos os investimentos com saldo acima de R$ 140,00 deverão ser declarados — mesmo os isentos. Eles fazem parte dos seus bens e patrimônio.

A seguir, veja como incluir cada tipo de investimento na declaração!

Renda fixa

O saldo em investimentos de renda fixa deve ser declarado da seguinte forma:

  1. Acesse a ficha “Bens e Direitos”;
  2. Inclua o código 45, que se refere aos investimentos classificados como renda fixa;
  3. Em “Discriminação”, esclareça o tipo de título de renda fixa, o nome e o CNPJ da instituição emissora e o número da sua conta;
  4. Preencha os campos “Situação em 31/12/2019” e “Situação em 31/12/2020”.

Como visto, você precisará incluir dados precisos. Então, é interessante fazer uma consulta junto à instituição financeira para obter o informe que será usado no Imposto de Renda.

Renda variável

Depois de aprender sobre a renda fixa, é preciso conhecer as etapas de inclusão da renda variável para saber como declarar investimentos no Imposto de Renda. Veja os passos:

  1. Acesse a ficha de “Bens e Direitos”.
  2. Inclua o código adequado. Os principais são:

31 — ações;

47 — opções, contratos futuros ou a termo;

49 — outras aplicações e investimentos;

71 — fundo de curto prazo;

72 — fundo de longo prazo e fundo de investimento em direitos creditórios (FIDC);

73 — fundo de investimentos imobiliários (FII);

74 — fundo de ações, fundo mútuo de privatização, fundo de investimento em empresas emergentes, fundo de investimento em participação (FIP) e fundo de investimentos de índice de mercado (ETFs);

79 — outros fundos.

  1. Em “Discriminação”, explicite o tipo de investimento, a quantidade de ações ou cotas, o nome e CNPJ da corretora ou do banco de investimentos, da companhia de capital aberto ou da administradora ou da gestora de fundos.
  2. Inclua as informações em “Situação em 31/12/2019 e “Situação em 31/12/2020”.

Como declarar os rendimentos com os investimentos?

Além do saldo em aplicações de renda fixa ou da posse de investimentos de renda variável, é preciso declarar eventuais ganhos ao longo do ano. O processo varia de acordo com a classe do investimento e com o regime de tributação sobre os ganhos.

Saiba o que fazer!

Ganhos tributáveis

Veja como declarar lucro tributável:

Renda fixa

Na renda fixa, os rendimentos tributáveis recebem desconto diretamente na fonte. Então, ao resgatar um título, você já receberá o total líquido e livre de impostos. E deverá declará-lo da seguinte maneira:

  1. Vá para a ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”;
  2. Escolha o código “06 — rendimentos de aplicações financeiras”;
  3. Descreva se os rendimentos são do titular ou de um dependente e inclua dados como o CNPJ da fonte pagadora e o valor obtido.

Ganho de capital em renda variável

Quem teve lucro com a compra e venda de ações ou fundos negociados em bolsa deverá seguir para a ficha “Renda Variável” para apresentar o ganho de capital obtido.

Atenção: o pagamento do imposto deve ter sido feito ao longo do ano por meio de Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF). Assim, você usará os comprovantes para preencher de acordo com os passos abaixo:

  1. Siga para a ficha “Renda variável”;
  2. Escolha a aba entre “Operações com Fundos de Investimento Imobiliário” ou “Operações Comuns/Day Trade”, para ações e outros fundos;
  3. Veja se há algum prejuízo para ser compensado referente a 2019;
  4. Preencha cada mês com os valores das vendas e verifique se o pagamento é consistente com cada DARF, deixando como R$ 0,00 quando não tiver ocorrido a venda.

Outros rendimentos na renda variável

Há outro passo a passo para declarar lucro dos fundos de investimentos negociados fora da bolsa e também possíveis juros sobre capital próprio (JCP) recebidos por quem investe em ações.

A declaração fica assim:

  1. Selecione a ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”;
  2. Escolha entre os códigos:

06 — rendimentos de aplicações financeiras (para resgate de fundos);

10 — juros sobre capital próprio;

  1. Informe os dados da fonte pagadora, o total recebido e se os rendimentos são do titular ou de um dependente.

Não tributáveis

No caso dos investimentos com isenção de Imposto de Renda, os rendimentos devem seguir para a ficha de não tributáveis.

O mesmo vale para outros ganhos isentos, como dividendos de ações e de FIIs – além de vendas que somaram menos de R$ 20 mil mensais em operações tradicionais na bolsa de valores.

Confira como incluí-los:

  1. Vá para a ficha “Rendimentos Isentos e Não-Tributáveis”;
  2. Inclua o código correspondente, sendo os principais:

09 — lucros e dividendos recebidos

12 — rendimentos de cadernetas de poupança, letras hipotecárias, LCA, LCI, CRA e CRI;

20 — ganhos líquidos em operações no mercado à vista de ações negociadas em bolsas de valores

  1. Adicione as informações – como total recebido, CNPJ da fonte pagadora e tipo de investimento.

Com essas informações, você aprendeu como declarar investimentos de Imposto de Renda. Tenha atenção redobrada com os valores e os dados, pois qualquer discrepância pode fazer sua declaração ser retida na chamada malha fina!


Janaina Macedo Calvo é Doutoranda em Administração Pública e Sustentabilidade, Mestre em Controladoria, Economista e Contabilista com MBA Executivo pela BBS – Brazilian Business School com módulo internacional realizado em Luanda – Angola).

No setor público, atuou como Conselheira de Emprego e Renda do Estado de São Paulo e Conselheira do Banco do Povo (baseado na experiência do Grameen Bank). Na área executiva, atuou como Gerente de Pessoal e Finanças do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia – Crea/SP, o maior Conselho de Fiscalização de Exercício Profissional da América Latina.

Sócia da Martinez & Calvo Consultoria e Treinamento, empresa prestadora de serviços na área de finanças, negócios e economia, que trabalha na capacitação e desenvolvimento de entidades públicas e privadas e gostamos de dizer que somos um território de aprendizagem e vivências profundas com mais de 10 anos de experiência e atuação.

Esse conhecimento foi útil? Compartilhe o artigo nas suas redes sociais e ajude outros investidores!

Compartilhe com:


Comments

Leave us a Message